Ícone Menu
logo Avaliar grátis!
Bichectomia: o que fazer em caso de arrependimento?

Bichectomia: o que fazer em caso de arrependimento?

O arrependimento depois de passar por uma cirurgia de bichectomia pode acontecer. Saiba o que fazer nesse caso e entenda os seus direitos.

Após realizar uma cirurgia de bichectomia, infelizmente, o paciente ainda pode ter um arrependimento. Isso pode acontecer, na maioria das vezes, quando a pessoa não pesquisa muito sobre o procedimento médico antes de realizá-lo, ou, ainda, quando a pesquisa é feita, porém, as expectativas não são atendidas.

A bichectomia é um procedimento cirúrgico que consiste na retirada das chamadas Bolas de Bichat, que são bolsas de tecido gorduroso localizadas na bochecha. Ao retirá-las, o paciente fica com o rosto menos arredondado, mais fino e contornado, e com as maçãs do rosto mais definidas.

Apesar de ser um procedimento irreversível, algumas pessoas podem se arrepender ao ver o resultado da cirurgia. Porém, o que fazer nesse caso? A seguir, entenda quais são as medidas para tentar reparar esse problema.

O que é e como funciona a cirurgia de bichectomia?

A cirurgia de bichectomia é um procedimento que deixa o rosto do paciente mais fino e contornado. Consiste da retirada da gordura localizada na bochecha, por meio de um pequeno corte no lado interno da boca – o que não deixa nenhuma cicatriz aparente.

Trata-se de um procedimento simples, que pode ser feito no próprio consultório do cirurgião plástico ou cirurgião-dentista, e com anestesia local. Além disso, a recuperação é rápida e não exige muito do operado, levando poucas semanas.

Normalmente, esse tipo de cirurgia tem fins estéticos, sendo procurado por pessoas que querem alterar sua aparência. No entanto, em alguns casos, o procedimento pode ser indicado com fins funcionais, como quando o paciente tem o hábito involuntário de morder as bochechas ou em um pós-câncer na região.

Quais são os riscos dessa cirurgia?

Assim como qualquer cirurgia, a bichectomia oferece alguns riscos para o paciente, mesmo que sejam poucos.

A infecção no local operado é um dos riscos do procedimento. A partir do corte realizado, a região pode infeccionar, causando muito incômodo ao paciente. Por isso, é normal que os médicos responsáveis receitem antibióticos.

Outro risco é uma lesão no nervo facial ou nas glândulas salivares. Isso pode ser um pouco mais grave, uma vez que, dependendo da gravidade da lesão no nervo, o paciente pode ter paralisia facial temporária ou definitiva.

A lesão nas glândulas salivares, por sua vez, pode reduzir a produção de saliva, resultando em outros prejuízos para a saúde bucal do paciente.

Por último, o envelhecimento precoce pode ser mais uma consequência, deixando a pele flácida. Em condições normais, o rosto vai perdendo sua gordura, o que deixa a pele com o aspecto de enrugada. Com a perda antecipada da gordura da bochecha, o processo de envelhecimento acaba começando antes.

Por essa razão, é importante ter um bom acompanhamento médico antes de realizar a cirurgia, a fim de entender todos os riscos de acordo com o seu organismo, e saber se, realmente, a bichectomia é o procedimento adequado para o seu caso, evitando o arrependimento.

Fiz a cirurgia de bichectomia e me arrependi. E agora?

Sabendo que a bichectomia é uma cirurgia irreversível, é fundamental que o paciente tire todas as suas dúvidas antes de se submeter ao procedimento, a fim de não ter nenhum arrependimento.

No entanto, mesmo com o acompanhamento médico com um especialista na área, a pessoa operada ainda pode ter suas expectativas sobre o resultado da cirurgia frustradas e se arrepender.

Em uma situação como essa, é importante que o paciente retorne ao consultório médico e veja com o cirurgião responsável o que pode ser feito. Dependendo do caso, é possível repor o ácido hialurônico, com substâncias artificiais, de seis meses a um ano. Porém, tudo depende da avaliação do profissional da saúde.

Para não correr esse risco, evite tomar a decisão precipitadamente. Pesquise a fundo sobre a cirurgia e seus riscos, pense bem sobre todas as possíveis consequências do procedimento – como o envelhecimento precoce – e opte por um profissional bem avaliado e especialista nesse tipo de intervenção cirúrgica.

O arrependimento da bichectomia dá direito a indenização?

Em alguns casos, quando o paciente se arrepende de ter feito determinado procedimento por ter uma consequência ruim, vinda de um erro médico, ele pode ter direito a uma indenização.

No caso da bichectomia, a menos que realmente haja um erro médico, o arrependimento não é um motivo plausível para uma indenização. Principalmente se a cirurgia for feita corretamente e dentro de todos os parâmetros adequados, não é o arrependimento que garantirá algum tipo de compensação, especialmente financeira.

Porém, diferente de outros tipos de procedimentos cirúrgicos, as cirurgias estéticas devem ter um resultado semelhante ou igual ao que é esperado pelo paciente. No caso de um resultado diferente do que é esperado, o paciente pode entrar com uma ação na justiça e conseguir, sim, uma indenização.

Aqui, é importante dizer que o resultado esperado deve ser condizente com a cirurgia realizada, assim como é dever do profissional médico explicar detalhadamente ao seu paciente como ele ficará depois da operação, sanando todas as possíveis dúvidas.

Quais são os tipos de indenização no caso de arrependimento da bichectomia?

Caso você tenha feito a cirurgia de bichectomia e tenha ficado com o rosto assimétrico, com outro tipo de deformidade ou de outra forma que não semelhante ao resultado esperado por você, e queira pedir na justiça uma indenização por todo o ocorrido, é possível receber até 3 tipos de indenização, a depender do seu caso.

O primeiro deles é o de danos materiais. Aqui, você pode ter de volta o valor utilizado com a cirurgia, assim como os custos relacionados a medicamentos para a recuperação, exames pré-operatórios e despesas processuais.

O segundo tipo de indenização é o de danos morais, caso você tenha impactos psicológicos, emoções afetadas, entre outros prejuízos não materiais.

Por fim, ainda é possível ter uma compensação por danos estéticos, na existência de deformidades, como uma sobrecorreção ou assimetria do rosto.

Fiz minha bichectomia pelo plano de saúde. Ainda posso ter direito à indenização?

Normalmente, os planos de saúde não cobrem os procedimentos cirúrgicos considerados estéticos. No entanto, no caso de uma bichectomia funcional, a cobertura pode, sim, acontecer.

Se esse for o seu caso e você, infelizmente, se arrependeu de ter feito a cirurgia por ter tido um resultado diferente do esperado, você ainda pode recorrer e pedir uma indenização pelo seu aborrecimento e transtorno.

Já se você nem conseguiu realizar o procedimento por conta da negativa de cobertura, se a sua cirurgia for funcional, você pode ter sido vítima de uma prática abusiva do seu plano de saúde.

Diante da recusa, é importante que você peça à operadora a formalização da negativa. A empresa de saúde não pode se negar a te entregar este documento, que deve ter uma linguagem clara e objetiva, e o motivo da não cobertura.

Depois, você pode entrar com uma ação contra a operadora e pedir uma liminar. O documento consiste em uma decisão judicial feita em situações urgentes. Sem ele, você provavelmente terá que esperar muito pelo resultado definitivo do pedido.

Normalmente, é possível ter a liminar em até 24 ou 48 horas após o pedido, a depender do juiz responsável por ela.

Na ação, você pode pedir a cobertura da cirurgia, o reembolso de custos com o procedimento ou, ainda, uma compensação, a depender do seu caso.

Outra alternativa é reclamar junto à ANS ou aos órgãos de proteção ao consumidor, como o Procon. Por ele, você pode registrar sua reclamação online, pelo telefone, ou em um dos postos físicos credenciados.

Já para entrar em contato com a ANS, ligue para 0800 701 9656 ou para 0800 021 2105 para deficientes auditivos. Você também pode fazer a reclamação online pelo Fale Conosco – para isso, é necessário fazer um cadastro.

Quer saber se você foi vítima de uma prática abusiva do seu plano de saúde? A JusVita pode te ajudar! Somos uma empresa especializada em auxiliar o beneficiário que teve ou está com problemas com o seu plano de saúde, inclusive o de negativa de cirurgia.

Para começar, responda gratuitamente o nosso formulário de avaliação. Depois, envie fotos dos documentos solicitados, bem como dos comprovantes relativos à negativa do atendimento. Assim, nossa equipe poderá fazer a análise completa do seu caso. Após a avaliação, nossos especialistas entrarão em contato com você em até 24 horas.

Ainda tem alguma dúvida sobre como podemos te ajudar? Entre em contato conosco pelo telefone (11) 93023-7616 ou escreva para [email protected]

Importante!

Esse texto tem caráter informativo e busca orientar consumidores sobre seus direitos. Somente um advogado é capaz de oferecer atendimento jurídico.

Caso seja necessária alguma retificação desse conteúdo, por favor, entre em contato pelo e-mail [email protected]

Gostou do conteúdo? Compartilhe!