Ícone Menu
logo Avaliar grátis!
O plano de saúde cobre cirurgia de fimose? Saiba mais!

O plano de saúde cobre cirurgia de fimose? Saiba mais!

Vários homens se perguntam se o plano de saúde cobre a cirurgia de fimose. Se você é um deles, saiba aqui qual a determinação da ANS para isso!

É comum que existam alguns questionamentos sobre a cirurgia de fimose, entre eles, se o plano de saúde cobre o procedimento. A cirurgia é um dos tratamentos para a fimose, doença que atinge os homens, podendo causar dor e incômodo na região íntima.

A fimose faz com que o prepúcio, que é a pele que cobre a glande (a cabeça do pênis), forme um anel rígido que não se retrai. Dessa forma, a glande não pode ser exposta, causando dificuldade para urinar, dores ao ter relações sexuais, aumento do risco de contrair doenças sexualmente transmissíveis, entre outros problemas.

Precisa fazer a cirurgia de fimose, mas não sabe se o seu plano de saúde cobre o procedimento? Veja nesta matéria qual é o posicionamento da ANS com relação a este assunto e entenda um pouco mais sobre a doença.

Como funciona a cirurgia de fimose?

A fimose implica no enrijecimento da pele que cobre a glande, ou seja, do prepúcio. Assim, o paciente tem grande dificuldade para expor a glande, além de dor e muito incômodo.

Sendo assim, a cirurgia consiste na retirada do prepúcio ou na realização de cortes que permitem a exposição da glande. O procedimento cirúrgico é chamado de postectomia ou, como conhecido popularmente, de circuncisão.

Existem dois tipos de fimose: a fisiológica e a secundária. A fisiológica é a mais comum, presente desde o nascimento do menino. Ela é mais suave e tende a passar com o tempo, não exigindo nenhum tipo de tratamento mais complexo.

Já a secundária pode acontecer em duas situações:

  • quando a fimose fisiológica não passa com o tempo, fazendo com que o paciente continue com a dificuldade de expor a glande;
  • após um problema de saúde, como uma infecção ou um trauma, podendo ser adquirida já na fase adulta.

Independente da forma que for realizada a cirurgia e da idade do paciente, ela exige a aplicação de anestesia e possui uma rápida recuperação, permitindo que o paciente retorne à sua casa no mesmo dia.

O curativo que é colocado sobre o local operado pode ser retirado em um ou dois dias, e os cuidados pós-operatórios consistem na higienização local adequada.

Apesar de ser uma doença que atinge os homens, em sua maioria, a fimose feminina também existe. Nas mulheres, a complicação se dá quando os pequenos lábios grudam um no outro, fechando a entrada da vagina.

Assim como acontece nos homens, a condição pode ou não precisar de uma intervenção cirúrgica.

O plano de saúde cobre a cirurgia de fimose?

A cirurgia de fimose está presente no rol de coberturas básicas da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), que é a agência reguladora e responsável pelo setor de planos de saúde no Brasil. Dessa forma, o convênio médico deve, sim, cobrir o procedimento cirúrgico em questão.

Além da cirurgia, todos os exames necessários para a operação também devem ser cobertos pelo plano, assim como os demais tratamentos relacionados.

A cirurgia não apenas deve ser coberta pelas assistências médicas particulares, mas também pode ser realizada gratuitamente pelo SUS, o Sistema Único de Saúde.

Quem pode fazer a cirurgia de fimose pelo plano de saúde?

A cirurgia de fimose pode ser coberta pelo plano de saúde quando o beneficiário possuir uma indicação médica para o procedimento.

Sendo assim, é essencial que a pessoa que está interessada na cirurgia passe por um acompanhamento médico, para que o profissional analise o caso profundamente e, assim, indique a cirurgia como tratamento ideal.

Além disso, também é necessário que o paciente já tenha cumprido a carência exigida pelo convênio médico. Caso contrário, ele poderá não ter a cobertura esperada.

A cobertura ainda deve acontecer independente da segmentação do plano. De acordo com a ANS, a cirurgia de fimose está no rol de procedimentos obrigatórios tanto nos planos com cobertura ambulatorial, como nos planos com cobertura hospitalar.

Vale saber que o ideal é que a cirurgia seja feita no paciente ainda criança, antes de chegar à sua adolescência. Porém, como a fimose pode ser adquirida na fase adulta em algumas circunstâncias, não há impedimento para a realização do procedimento cirúrgico nestas condições.

Qual a carência para o plano de saúde cobrir a cirurgia de fimose?

A carência é o período que o contratante do plano de saúde precisa esperar após a assinatura do contrato para ter acesso a todas as coberturas contratadas. No caso de uma cirurgia de fimose, assim como para as demais cirurgias, a ANS permite que o prazo máximo seja de até 180 dias.

Porém, esse tempo pode variar. Mesmo que a agência reguladora tenha estabelecido o limite de 180 dias, as operadoras de saúde podem definir um prazo menor.

Por isso, não deixe de verificar com o seu plano qual a carência exigida para este tipo de procedimento, sabendo que o prazo não pode ser maior que 180 dias.

Como posso fazer uma cirurgia de fimose pelo plano de saúde?

Se você pensa em fazer uma cirurgia de fimose pelo plano de saúde, comece agendando uma consulta com o urologista. Só assim o profissional poderá conhecer o seu caso e, fazendo um acompanhamento médico adequado, te dizer se a cirurgia é, de fato, o melhor tratamento para você.

Em caso afirmativo, o médico solicitará todos os exames necessários para a operação e, assim, fará o encaminhamento para a cirurgia. Dessa forma, basta aguardar a aprovação da operadora de saúde.

E se o plano de saúde negar a cirurgia de fimose?

Apesar da cirurgia de fimose constar no rol de procedimentos básicos da ANS e ter a sua cobertura obrigatória independente da segmentação do plano, as operadoras ainda podem negar a solicitação de cobertura de um beneficiário.

Diante desta negativa, a primeira coisa que o paciente deve fazer é pedir à empresa a negativa da cirurgia por escrito. O comunicado deve ter a linguagem clara e objetiva e deixar explícita a razão pela qual o convênio se negou a cobrir o procedimento.

Além disso, é importante saber que a operadora não pode se recusar a te entregar este documento.

Caso a negativa realmente seja indevida, ainda é possível entrar com uma ação contra a empresa de saúde. Neste caso, você pode pedir a cobertura da cirurgia, o reembolso de custos com o procedimento e, ainda, uma compensação por todo o aborrecimento e transtornos passados.

Se preferir, você ainda pode reclamar para a ANS ou para os órgãos de proteção ao consumidor, como o Procon. Dependendo do órgão, a reclamação pode ser feita pela internet, por telefone ou em um posto físico credenciado.

Quer saber se você foi vítima de uma prática abusiva do seu plano de saúde? A JusVita pode te ajudar! Somos uma empresa especializada em ajudar o beneficiário que teve ou está com problemas com o seu plano de saúde, inclusive o de negativa de cirurgia de fimose.

O primeiro passo é responder gratuitamente o nosso formulário de avaliação. Depois, basta enviar fotos dos documentos solicitados, bem como dos comprovantes relativos à negativa de atendimento.

Assim, nossa equipe fará a análise completa do seu caso e, depois disso, entrará em contato com você em até 24 horas.

Para saber mais sobre como podemos te ajudar, entre em contato conosco pelo telefone (11) 93023-7616 ou escreva para [email protected]

Importante!

Esse texto tem caráter informativo e busca orientar consumidores sobre seus direitos. Somente um advogado é capaz de oferecer atendimento jurídico.

Caso seja necessária alguma retificação desse conteúdo, por favor, entre em contato pelo e-mail [email protected]

Gostou do conteúdo? Compartilhe!